quarta-feira, 5 de abril de 2017

com minhas pernas de planetas


hei de destilar a raiva,
o sentimento de revolta
( por ser ignorado? )
movendo o corpo na direção
das direções,
pelo juramento de nunca abandonar
esse caminho, aconteça o que acontecer,
chova o quanto tiver que chover,
sempre hei de romper a mata
da escuridão com o peito de lótus,
com as pernas de planetas


( edu planchêz )

Nenhum comentário:

Postar um comentário